Chapada dos Veadeiros 2º Dia

Bom dia galera! Mais um dia na Chapada, e hoje é dia de ir até Cavalcante, aproveitar que a pousada que estamos já fica na metade do caminho. 


Pegamos a estrada logo cedo, 32 km à frente e lá estava a cidade, procuramos então o CAT ( Centro de Apoio ao Turista) para conseguir um guia! 


Antes de ir as cachoeiras paramos no Mirante da nova Aurora, lindo para fotos! Consegue se avistar a cidade de Cavalcante do alto. 

Quando estamos dispostos a conhecer o mundo é justamente porque temos a certeza de que o mundo é muito maior do que nós mesmos

Ainda no mirante conhecemos alguns viajantes que estavam fazendo o percurso sem guia e descobriram que não poderiam continuar o caminho assim, por isso resolveram se juntar a nossa família e nosso grupo de 4 passou a ter 11, ah! Vamos falar de preço nosso guia cobrou inicialmente 120,00 reais pela família com 4 pessoas ( já vi guia cobrar até mais), depois juntando com nossos novos amigos de estrada conseguimos um ótimo desconto, pagamos 15,00 por pessoa! 

A cachoeira de Santa Barbara fica dentro do povoado dos Kalunga chamado de Engenho II . A população Kalunga é uma comunidade de negros, originalmente formada por descendentes dos primeiros quilombolas, ou seja, de escravos que fugiram do cativeiro e organizaram quilombos, passando a viver em relativo isolamento. Hoje patrimônio cultural Kalunga o maior quilombo brasileiro! 

Posto de atendimento onde se paga o ingresso as cachoeiras
Dentro do povoado, muito do caminho é feito de carro

Quando chegamos no povoado tivemos que pagar 20,00 reais por pessoa para visitar as cachoeiras, e descobrimos que a cachoeira de Santa Barbara estava lotada e que só poderíamos ir depois de 1 hora, até aquele grupo que estava lá agora ir embora! Esse tipo de controle até que é bom … 

Antes de irmos as trilhas e cachoeiras nosso guia o Jô, nos leva a uma casa onde podemos reservar nosso almoço, diz ele que é bom garantir ! 
Nosso guia nos levou então a cachoeira da Capivara uma trilha curta porém muito íngrime, não recomendo se estiver com crianças de colo, pois em alguns pontos precisa se segurar em troncos de árvore e se equilibrar em pedras . 



A cachoeira da Capivara é muito bonita, vale a pena todo esforço ! 





De certa forma foi ótimo termos ido na Capivara antes, pois dizem que depois que se conhece a Cachoeira de Santa Barbara não se acha tanta graça na outras… apesar de eu achar que cada uma tem sua beleza sem igual. Nessas horas eu penso que mais uma vez o universo conspira a favor .🙏🏻

Ficamos coisa de 1 hora na Capivara, a volta bem mais cansativa a tal subida íngrime ( um total de mil metros ida e mil metros a volta) a trilha da Santa Barbara um pouco maior coisa de 1 km e 800 metros ,  mas sem dificuldade, tranquila para caminhar, terreno mais plano… durante o trajeto nosso grupo muito legal de vários lugares do Brasil e do mundo foi trocando informações e dicas de viagens … pouco sabemos um dos outros, mas parece que saímos para viajar juntos de casa, acho que a estrada faz isso com as pessoas…



Antes de chegarmos na Santa Barbara passamos na cachoeira da Santa Barbarizinha, tipo uma irmã mais nova, eu diria filha de Santa Barbara, modelo menor, miniatura, mas de beleza singela e modesta de águas tão claras quanto sua mãe, só aumenta a expectativa para a grande estrela do dia! 


Tive a impressão de que a natureza pensou em nós dar um tipo de amostra grátis, só para que sentíssemos um pouco do que estava por vir mais à frente! 
Subindo um pouco mais o leito do rio, pedras, pequenos filetes de água e o som da cachoeira já dizia q estávamos perto…. 
Chegamos a Santa Barbara e a reação de todos é a mesma …. Ooooh! Um minuto de silêncio a contemplar … 

…………………………………………………………


Tem certeza que o homem não colocou seu dedinho mágico por aqui? Incrível, inigualável, mágica, é como encontrar o pote de ouro no fim do arco íris … sim é isso! Não sei vocês mas toda vez que eu ver um arco íris vou imaginar a Santa Barbara no final… a água estava gelada e muito, mas quem consegue olhar essa maravilha e não mergulhar?! E vale aquele mergulho de cabeça, aquele que lava a alma! 

Suas águas claríssimas como uma piscina de cor azulada, se caracteriza por conta da areia de calcário que tem em todo o fundo. Umas braçadas até a queda d’Água e deixar que a mãe natureza nos abrace e nos renove! 

Quando nosso grupo chegou a cachoeira havia um rapaz anotando o nome do guia, quantas pessoas estava com ele e que horas deveríamos sair, eu sei q vocês devem estar pensando, ” que coisa chata, hora pra entrar e hora para sair” , é pode até ser, mas é para evitar justamente o acúmulo de pessoas em um só momento e aquela brincadeira entre os viajantes ” expectativa e realidade ” que tanto atrapalha nossas fotos e contemplação. 
Uma última foto e pensar que vale muito a pena estar viva ! Gratidão a cada momento! 


Depois de 1 hora de cachoeira era hora de ir, nesse momento todos ja pensavam na galinha caipira que nos esperava no Rancho dos Kalunga. 
Casa simples, comida no fogão a lenha, o almoço tem dois preços, 25,00 reais o prato feito e 35,00 reais e pode comer a vontade, como a galera aqui é boa de garfo, vamos de comer a vontade! Até porque já são 15:30 da tarde ( o relógio ficou em Brasília), a comida estava deliciosa! Melhor estilo de comida caseira, salada verde e tomate, arroz, feijão, galinha caipira, tambaqui frito, quiabo, abóbora, pequi, farofa de carne seca…. não sei se estou lembrando de tudo, mas provei de tudo um pouco… Ah sucos de frutas do cerrado! Eu escolhi tamarindo! 



O povo local muito atencioso e prestativo, claro tudo se paga e nada mais justo eles se sustentam do turismo! 
Aproveitei para fazer contato com a Dona Beth da Casa Gengibre onde vamos nos hospedar mais tarde! Ah! Não contei para vocês mas no Rancho do Kalunga tem rede WI-FI! Depois de dois dias sem internet ali foi o momento de fazer contato e dizer ao mundo que estávamos bem ! 

Uma última foto com nosso grupo antes de cada um seguir seu caminho, que nos encontremos novamente em alguma estrada mundo a fora…. 

Cariocas, gaúchos, paulistas, brasilienses, goianos e um espanhol … amigos de estrada!